Estamos em Missão III


Amados irmãos e amadas irmãs,


Que o ano que se inicia seja abençoado e cheio de vitórias. Embora os indicadores da economia não nos motivem, por apontarem uma possível continuidade da crise em 2017, em Cristo temos esperança de que tempos melhores virão, como fruto da intercessão e do clamor do povo de Deus: “E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra. Agora, estarão abertos os meus olhos e atentos os meus ouvidos à oração deste lugar” (2 Crônicas 7,14-15). É em meio às lutas e desafios que conquistamos as vitórias: “(…) no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo (...)” (João 16,33). Que, ao final de 2017, possamos contar as bênçãos.


No número anterior de Conexão, falamos sobre os objetivos 1 e 2 do Plano Regional de Ação Missionária – PRAM. Na presente edição, falaremos sobre os objetivos 3 a 5 (p. 44):


Objetivo 3 – Ter 15% de novos membros recebidos à comunhão, comprometidos com o Evangelho, atuantes nas diversas atividades e na mordomia da igreja.


Objetivo 4 – Ampliar em 20% o número de participantes dos Grupos Pequenos, para o fortalecimento do trabalho de discipulado junto ao laicato.


Objetivo 5 – Dinamizar o uso do Fundo de Investimento Missionário e do Fundo de Apoio Missionário, sem comprometer sua integralidade e manutenção perene.


Algumas considerações


Objetivo 3 – Para alcançarmos o crescimento quantitativo de 15% em relação à membresia da igreja, pressupõe-se que haverá engajamento dos membros leigos com o despertamento para o zelo evangelizador, em que cada um e cada uma, diariamente, testemunhará e desafiará pessoas à vida cristã e, posteriormente, ao envolvimento com a igreja local. Tenho visto em algumas de nossas igrejas o slogan: “juntos podemos mais”. Concordo com ele. Desde tempos antigos, temos aprendido que “a união faz a força”. É difícil para a Igreja crescer, unicamente com o trabalho do pastor ou pastora. Mas, se todos e todas se envolverem, isto se tornará possível. Assim, entendo que, para a Igreja atingir o desafio missionário do crescimento, é necessária a participação de todos os irmãos e de todas as irmãs na missão, conforme afirma o Plano para a Vida e a Missão (p. 83 – Cânones 2012):


“O Metodismo caracteriza-se por sua paixão evangelística, procurando proclamar as boas-novas de salvação a todas as pessoas, de tal sorte que o amor e a misericórdia de Deus, revelados em Jesus Cristo, sejam proclamados e aceitos por todos os homens e mulheres (1 Coríntios 1,22-24). No poder do Espírito Santo, por meio do testemunho e do serviço prestados pela Igreja ao mundo em nome de Deus, da maneira mais abrangente e persuasiva possível, os metodistas procuram anunciar a Cristo como Senhor e Salvador”.


Necessitamos urgentemente resgatar a paixão por vidas salvas em nome de Jesus Cristo.


Objetivo 4 – A expectativa que temos, como orienta o Plano Nacional Missionário, é de que todos os metodistas e todas as metodistas se envolvam em Pequenos Grupos ou Células, para que o discipulado se consolide. Temos enfatizado que o discipulado metodista é firmado em três movimentos: 1) – estilo de vida; 2) – método de pastoreio; e 3) – estratégia para o cumprimento da missão (PNM – p. 22). Entretanto, por falta de conhecimento mais profundo sobre o tema nos moldes da Igreja Metodista[1], ou por razões que ainda desconheço, existem irmãos e irmãs que resistem aos Pequenos Grupos e ao discipulado de forma geral. O desafio que se faz é para que aceitem o imperativo de Jesus Cristo, quando disse: “Façam discípulos e discípulas” (Mateus 28.19). Envolver-se em discipulado nos Pequenos Grupos é um dos meios de cumprir o mandamento de nosso Senhor. Se os nossos queridos membros resolverem se comprometer com este propósito, com toda certeza conseguiremos alcançar o objetivo traçado.


Objetivo 5 – Semestralmente, emitimos um edital para aporte financeiro a projetos que tenham fins missionários. O financiamento se dá pelo Fundo de Investimento Missionário. Ele é um fundo de doação destinado a projetos de expansão missionária, definidos de acordo com as diretrizes missionárias regionais, visando o avanço missionário em novas frentes e consolidação de novas comunidades. Para alimentar este fundo, contamos com recursos oriundos da Oferta Missionária Regional. Deste modo, você e sua igreja local devem enviar os valores solicitados em período de ofertas missionárias, para que o fundo tenha recursos e possa liberar valores solicitados pelos projetos aprovados pela COREAM, conforme critérios estabelecidos no edital. Outro fundo é o Fundo de Apoio Missionário, que é liberado, mediante empréstimo, para reformas, construções, adequações e compra de imóveis de igrejas já formadas e consolidadas. Para dinamizá-lo, é importante que as igrejas elaborem, juntamente com o Distrito, projetos de avanço missionário que sejam viáveis e que levem a igreja ao crescimento. O que alimenta o Fundo de Apoio Missionário é o pagamento com fidelidade por aquelas igrejas que já foram contempladas com empréstimo. Caso contrário, o fundo se esgota, prejudicando a missão.


Finalizando


O desafio que temos como igreja e como povo de Deus é enorme. Estamos inseridos em um imenso campo missionário, com um dos mais altos índices de habitantes na América Latina e no mundo. O que relata o Evangelho de Mateus 9,37 – onde Jesus diz: “Então, disse aos seus discípulos: A seara é realmente grande” – aplica-se também a nós.


Então, amados irmãos e amadas irmãs metodistas, envolvamo-nos com a missão de salvar pessoas das garras do inimigo e levá-las aos pés de Cristo, para que experimentem a nova vida oferecida pelo Senhor.


Contamos com cada um e cada uma de vocês! Ao trabalho...

Com amor pastoral.

 

[1]Sugiro a leitura do material Biblioteca Vida e Missão – Série Discipulado – Volumes de 1 a 7, produzido pelo Colégio Episcopal e também dos materiais produzido pela Terceira Região – Curso de formação de Líderes, Orientação para o Discipulado, Trabalhando com Pequenos Grupos – Implantação e Desenvolvimento.

 

José Carlos Peres Bispo presidente da Igreja Metodista na Terceira Região Eclesiástica


Post em Destaque
Posts Recentes