NÃO COBRAR MAIS DO QUE ESTÁ ORDENADO


Ronaldo

“E chegaram também uns publicanos, para serem batizados, e disseram-lhe: Mestre, que devemos fazer? E ele lhes disse: Não peçais mais do que o que vos está ordenado.” - Lucas 3:12,13.

 

Como agir quando você se defronta com a corrupção desenfreada?


Quando roubar está na ordem do dia?


Quando todo mundo está fazendo isso, como algo que é parte da cultura de um povo?


Quando a roubalheira for sancionada por alguns dos que detém autoridade governamental?


Quando se beneficiar do alheio parece ser o caminho mais lógico e fácil para aliviar seus problemas financeiros?


O que um cristão deve fazer nessa situação tão difícil?


O povo de Deus é responsável por perseverar na obediência e no bom testemunho neste mundo mal, mesmo em face da perseguição e do martírio.


É preciso estar em guarda contra o engano espiritual, quando até mesmo grandes líderes evangélicos estão dentre os corruptos ou corruptores. Os erros mais enganosos podem surgir dentro de igrejas e até serem redigidos em termos bíblicos.


Integridade em questões de dinheiro é uma coisa rara. Mas Deus quer que seu povo marcado pela integridade financeira.


O que faz alguém quando ninguém está olhando indica seu verdadeiro caráter. Tem a ver com ser honesto e justo por convicção.


Em Atos 24:16 vemos Paulo afirmar que “E por isso procuro sempre ter uma consciência sem ofensa, tanto para com Deus como para com os homens.



O problema no Brasil é que para a consciência ser o guia seria preciso que as pessoas tivessem sido formadas tendo algum contato com o conhecimento de Deus e importância da obediência às Escrituras. De outra forma, o que temos são ‘consciências cauterizadas’, conforme I Timóteo 4:2.


Os ladrões, assassinos e malandros envolvidos na corrupção, desde os mais altos níveis em Brasília até nas micro-relações do dia-a-dia não sentem vergonha, culpa ou medo. Pois a impunidade histórica e a falta de referências morais foi o que aprenderam na sua infância.


Para enfrentar esse tipo de gente só há um caminho, cujas quatro ações estão conectadas: oração para pedir que Deus intervenha nessa nação, jejum para que essa casta de demônios que domina a maioria dos políticos seja lançada fora dos espaços de poder – junto com seus hospedeiros, mobilização popular e cidadania.

Luciano Sathler Professor de Escola Dominical Membro na IM Central em Santo André

#colunistas #Luciano

Post em Destaque
Posts Recentes